Como estimular a motivação pessoal numa empresa

Ao trabalhar em equipa surge sempre a preocupação de garantir que todos estão empenhados e motivados para o trabalho que é desenvolvido.

A equipa é formada por pessoas diferentes com um auto-conceito e um conjunto de expectativas que são sempre particulares, por isso, a motivação pessoal de todos os colaboradores da empresa é uma tarefa que exige um trabalho de gestão estratégica e proactiva dos dos recursos humanos.

Na gestão estratégia das equipas de trabalho, uma das questões que se coloca é como motivar pessoas diferentes e, por outro lado, como gerir e distribuir tarefas, delegar, confiar e responsabilizar todos os membros da equipa.

A gestão dos recursos humanos é uma função com uma dimensão cada vez mais estratégica e não tanto um trabalho de planeamento, como se encarava nos anos 80.

liderança

Por isso, hoje a abordagem é (ou deve ser) proactiva e estratégica, na medida em que se pretende que o conjunto das pessoas que trabalham numa constituam uma combinação eficaz de pessoas com estilos e/ou abordagens diferentes – uma combinação eficaz é aquela que garante que, em conjunto, todos os membros irão trabalhar em prol do sucesso da empresa de uma forma eficiente e comprometida.

 

A motivação dos profissionais numa empresa é importante para garantir a coesão de todo o trabalho que é feito e para assegurar que todos estão empenhados em converter o seu trabalho em resultados e valor para a empresa.

Muitas empresas trabalham em equipa que são formadas por pessoas com perspectivas e funções diferentes dentro empresa. Por isso, a gestão de equipas de trabalho torna-se uma tarefa complexa e implica gerir personalidades, sensibilidades, expectativas e competências (organizacionais e sociais) diferentes ou, por vezes, opostas.

Por exemplo, existem profissionais que valorizam o planeamento e a organização rigorosa das tarefas, focada nos resultados, enquanto outros desenvolvem uma atitude mais criativa e imprevisível, valorizando sobretudo o bom ambiente na equipa.

De seguida apresentamos alguns factores que contribuem para estimular a motivação das pessoas que colaboram numa empresa.

Liderança

As pessoas procuram um líder seja capaz de reunir e congregar todas os trabalhadores da empresa e que seja capaz de converter todos os esforços individuais em resultados colectivos e valor económico para a empresa.

Por outro lado, o líder de equipas tem a tarefa de assegurar que as pessoas se mantêm focadas e orientadas para atingir os objetivos e as metas de sucesso estipuladas.

O líder deve ser uma pessoa capaz de motivar, de criar um bom ambiente de trabalho e gerar empatia, deve também ser capaz de evitar e gerir conflitos através do diálogo e da negociação.

Equipa

Trabalhar em equipa permite reunir diferentes formas de procurar soluções e resolver os problemas – esta riqueza de perspectivas gera um maior enriquecimento para os membros da equipa porque permite partilhar novas ideias e conhecimentos técnicos, ao mesmo tempo que estimula a criatividade e inovação.

Por outro lado, a troca de ideias favorece o espírito e o trabalho do grupo, a entreajuda e a confiança entre os colaboradores da equipa, favorecendo a coesão e a complementaridade do grupo.

Trabalhar em equipa permite, ainda, distribuir tarefas e delegar responsabilidades de forma a comprometer todas as pessoas com os objetivos da empresa. Assim, todos estão comprometidos com um objetivo comum e com resultados concretos que têm de apresentar.

Trabalhar em equipa e sobretudo trabalhar com metas e objetivos bem definidos permite que as pessoas trabalhem de uma forma orientada e focada nos resultados da empresa – assim, não se sentem à deriva dentro da empresa, nem abandonadas pelos gestores e líderes de equipa, nem se sentem despromovidas de responsabilidades e competências.

Portanto, trabalhar num ambiente estimulante e desafiante, numa equipa de maiores ou menores dimensões, é um dos factores-chave na motivação dos recursos humanos.

Comunicação

O processo de comunicação livre, franco e aberto numa empresa permite conhecer de forma sistemática as dificuldades dos trabalhadores, as dúvidas, insatisfações e reivindicações.

Com este diagnóstico é possível conhecer e acompanhar mais de perto as pessoas que trabalham na empresa, detectar possíveis dificuldades e agir de forma antecipada e proactiva na procura de soluções.

Assim, todos os mecanismos de gestão dos recursos humanos são pensados a partir das características do ambiente interno da empresa o que torna mais eficaz a resolução de conflitos, a gestão do sistema de recompensas, a coesão de todos os trabalhadores da empresa e, finalmente, a motivação da equipa.

Reconhecimento técnico

Uma outra garantia do sucesso do trabalho em equipa é a adequação entre as capacidades e conhecimentos técnicos dos trabalhadores e as funções que desempenham. Se o funcionário desempenha funções que ficam aquém das suas capacidades técnicas e expectativas profissionais, ou que não permitem nenhum tipo de liberdade e autonomia criativa, irá desenvolver uma atitude de desinteresse, frustração e desmotivação.

Por outro lado, descurar a gestão e a motivação das equipas e das pessoas com quem trabalhamos pode levar a que estes profissionais procurem novas empresas para trabalhar, nomeadamente as empresas concorrentes.

Hoje as pessoas têm acesso facilitado a novas formas de profissionalização e especialização, não só em termos de volume de informação, como também pela rapidez com que é possível aceder a essa informação especializada.

Por isso, as organizações precisam de saber como manter os seus profissionais empenhados e valorizados na empresa. Por outro lado, é importante desenvolver mecanismos que promovam a integração e a valorização profissionais, de forma a premiar o mérito e os bons resultados.

Empowerment

A autonomia e a liberdade para tomar decisões dentro da empresa, ou para participar nas decisões tomadas, promove o desenvolvimento, a maturidade e o grau de empowerment dos colaboradores da empresa.

Ou seja, não existe um controlo centralizado do trabalho que é feito, mas antes uma equipa com capacidade de autonomia e de decisão. Esta delegação de competências e atribuição de responsabilidades permite criar equipas de trabalho autodirigidas, participativas e dinâmicas.

Assim, as decisões dentro da empresa são tomadas de uma forma mais rápida e flexível. A autonomia e empowerment dos colaboradores de uma empresa permitem aumentar a confiança no trabalho desenvolvido por cada um deles e, ao mesmo tempo, promove os índices de motivação e compromisso dos trabalhadores da empresa.

Subscrever actualizações

rss

Comentários



AVISO:Todos os artigos publicados no blogue Gestor.pt são puramente informativos e não podem ser confundidos com aconselhamento financeiro. Site Meter