Liderança no feminino – características das mulheres líderes

É cada vez maior o número de mulheres que ocupam lugares de liderança e de chefia nas empresas. Embora esta tendência ainda não permita falar de paridade na distribuição dos lugares de chefia e liderança, é interessante analisar e conhecer os traços da liderança no feminino – como é que as mulheres desempenham os cargos de liderança e como se revelam líderes no mundo empresarial ou político, por exemplo.

Nos anos 60 as mulheres tendiam a adoptar um estilo de liderança mais conforme os valores masculinos, sobretudo porque as empresas e organizações eram predominantemente geridas por homens. Nesta altura as mulheres tendiam a “gerir como homens”, adoptando técnicas de gestão tipicamente masculinas.

Hoje, ao contrário, as mulheres adoptam um estilo de liderança e gestão marcadamente feminino, fazendo prever (segundo alguns autores) um novo paradigma de gestão em que os homens irão procurar adoptar traços e práticas comuns nas mulheres, como a delegação de responsabilidades, a partilha de informação e de recursos, e a definição colectiva de objectivos.

De seguida analisaremos alguns dos traços apontados ao estilo de liderança das mulheres:

Liderança democrática:

As mulheres revelam capacidade para organizar o trabalho em equipa de forma mais democrática, participativa e cooperativa que os homens – mais propensos para a gestão táctica e um estilo de liderança autoritária, com procedimentos inflexíveis.

Flexibilidade:

As mulheres apresentam ainda uma tendência maior para a partilha de responsabilidades, assim como uma maior capacidade de comunicação e consenso. A liderança feminina surge mais orientada para a negociação, a gestão de conflitos e a resolução de problemas baseadas na empatia e na racionalidade.

Liderança inclusiva

Enquanto líderes, as mulheres possuem atributos tais como a generosidade, a harmonia, a capacidade de comunicação e a capacidade de liderar de forma mais inclusiva e menos centrada na figura do líder – são as chamadas “competências moles” como referem alguns autores.

Liderança relacional

A liderança feminina é tendencialmente mais orientada para a gestão das pessoas – são mais relacionais. As mulheres criam, assim, um ambiente organizacional onde existe um enfoque nas pessoas, enquanto a liderança masculina é considerada mais directiva e orientada para as tarefas e a obtenção de resultados.

Liderança transformacional

Um outro traço de liderança que é reconhecido nas mulheres é a capacidade de gerar confiança e estimular a equipa de trabalho, gerindo as expectativas e necessidades de cada pessoa. Ou seja, o líder transformacional consegue seguidores não através de um sistema de recompensas (como acontece com o líder transacional) mas pelos efeitos que inspira e estimula nas pessoas: a confiança, o optimismo, a identificação com os valores da empresa, a criatividade e o pensamento inovador.

Embora apresentem um estilo de liderança mais transformacional, as mulheres revelam algumas dificuldades em se adaptar a uma cultura empresarial muito marcada por líderes homens, o que pode ser considerado um paradoxo. Mas não deixa de merecer reconhecimento o facto de as mulheres desempenharem cada vez mais funções de liderança nas empresas e organizações públicas, e uma liderança que é cada vez mais genuína e marcada por traços de personalidade (por norma) mais comuns nas mulheres.

Portanto, como vimos (e sem querer introduzir uma guerra de sexos) existe um conjunto de características de liderança tipicamente associadas às mulheres que apontam para uma liderança mais democrática, inclusiva e transformacional.

Subscrever actualizações

rss

Comentários



AVISO:Todos os artigos publicados no blogue Gestor.pt são puramente informativos e não podem ser confundidos com aconselhamento financeiro. Site Meter